sexta-feira, 12 de março de 2010

SOMENTE UMA PIZZA DE MUSSARELA

Claro que não é uma pizza qualquer, e sim a de mussarela.
É verdade que procuro manter uma alimentação saudável ao longo da semana; gosto, por exemplo, de preparar um café da manhã nutritivo, no almoço busco os pratos coloridos e leves, iogurte no lanche da tarde, porém não abro mão do reforço no cardápio do jantar. Aí sim! A maravilhosa comidinha caseira. Tudo bem! Preciso confessar que entre estas refeições não resisto a um cafezinho, é que também não sou de ferro!
Mas quando vai chegando sexta-feira, me realizo. Suspendo o jantar caseiro e me delicio com a pizza. Adoro pizza! Especialmente a de mussarela, apesar das críticas que recebo por causa da simplicidade do sabor. Vai entender!
Sexta-feira passada não foi diferente. Cheguei a casa, tomei um banho refrescante, vesti o pijaminha básico, calcei o chinelo de espuma (quase uma pantufa), alcancei o livro e me acomodei na confortável cadeira que, aliás, parece me esperar sempre com um abraço. E foi assim que aproveitando o silêncio e aconchego da casa, iniciei aquele que é um dos meus programas prediletos: ler.
Passado algum tempo; ou melhor, muito tempo, resolvi pedir pelo telefone a tão esperada pizza de mussarela. Hum! Salivei apenas por imaginar aquele cheirinho tomando conta da minha cozinha. Então, animadamente arrumei a mesa, com direito a uma taça delicada de vinho tinto suave e toalha bordadinha. Ficou tão bonita a mesa! E o melhor, é que era todinha para mim. Estava pronta a programação da noite.
Mas ao admirar todo aquele cenário, pensei na preocupação excessiva que temos em satisfazer a todos aqueles que estão a nossa volta; o que é uma atitude caridosa e demonstra muita grandeza, porém não nos damos conta de que na maioria dos casos uma vida inteira se passa sem que consigamos satisfazer a nós mesmos.
Curti a bonita mesa sem culpas, sem me achar egoísta por preparar aquela festinha individual com tanto carinho. Apenas pensei no quanto de satisfação poderia me proporcionar e o quanto de alegria armazenaria no coração.
Me senti feliz! Por que devo ter vergonha de admitir isto? Claro que pode parecer estranho constatar toda esta felicidade apenas admirando uma mesa delicadamente arrumada a espera de uma pizza de mussarela.
Concordo! Mas, naquele momento estava fazendo o que poucas pessoas se permitem fazer: simplificar a vida e respeitar as próprias vontades. É exatamente desta forma que tenho tentado fazer bem a mim e a todas as pessoas que recebo com tanto carinho e aconchego em minha vida; ainda que elas não gostem de pizza de mussarela.

Cátia Corrêa dos Santos
10/03/2010

Um comentário:

Danielle disse...

Entendi a importância da pizza de mussarela!
Amei o texto!
Bjks